A teoria da janela quebrada

22 May 2010

[ Agile , Programacao ]

Finalmente, após quase um mês de espera, chegou na última semana a minha encomenda da Amazon. Nela estão dois livros: Rework e The Pragmatic Programmer.

Rework é um livro rápido de se ler, ainda mais que eu já estava ávido por mais textos do pessoal da 37 Signals, e minha ansiedade me fez terminá-lo mais rápido ainda. Espero comentar sobre as idéias do livro em posts futuros.

Ontem (sexta) iniciei a leitura do livro The pragmatic programmer, e uma teoria no início do livro me chamou a atenção: a teoria da janela quebrada.

Segundo os autores, a teoria da janela quebrada surgiu de uma pesquisa que buscava descobrir por que alguns prédios em algumas cidades estão em bom estado e outros estão em estados precários. Os pesquisadores chegaram então a razão do problema: uma janela quebrada.

A teoria da janela quebrada diz que, a partir do momento em que existe uma janela quebrada, o ambiente passa por um processo acelerado de deterioração. Em um dos testes, os pesquisadores deixaram um carro estacionado por uma semana no mesmo local, sem tirá-lo dali. Ninguém mecheu no carro.

Na semana seguinte, os pesquisadores quebraram uma das janelas. Em algumas horas o carro estava em frangalhos. Uma janela quebrada é um gatilho que “dá permissão” para o surgimento de outras janelas quebradas.

Levando isso para o mundo da programação, você já deve ter passado por uma situação onde o seguinte passou pela sua cabeça:

“Bom, se o resto do código já está assim mesmo, vou fazer isso assim também.”

E assim softwares se encaminham para mais e mais janelas quebradas. Em alguns projetos, uma pequena decisão errada pode ser o suficiente para desencaminhar todo o resto.

Como pode-se enfretar este problema? Os autores incitam a consertar as janelas quebradas o mais rápido possível, de preferência assim que forem avistadas.  Não de tempo de elas se estabilizarem, o trabalho de consertar janelas quebradas no futuro será muito maior!